jusbrasil.com.br
3 de Abril de 2020

Abandone posições rígidas e lute por interesses verdadeiros

Giordano Bruno Soares Roberto, Advogado
há 2 meses

Um dos maiores desafios do advogado, sobretudo no campo das relações familiares, é ajudar os clientes a abandonar posições rígidas e identificar quais são seus verdadeiros interesses.

Numa situação de divórcio, por exemplo, é comum que um dos cônjuges exija a guarda unilateral dos filhos, quando, na verdade, deseja simplesmente que eles cresçam felizes e em segurança.

O problema de ficar preso a uma posição é que, ao final, corre-se o risco de perder o que é mais importante. Por outro lado, a beleza de lutar por um interesse é que, via de regra, existem múltiplas formas de alcançá-lo.

Voltando ao exemplo do divórcio, é fácil perceber que a exigência de guarda unilateral dos filhos soará como declaração de guerra. Para provar que cuida bem das crianças, o interessado pode chegar ao ridículo de expor momentos íntimos da convivência familiar. E na tentativa de desqualificar o outro, não terá receio de revelar informações que jamais deveriam vir a público. E o resultado é que, seja qual for a decisão do juiz, os filhos sofrerão com a guerra travada pelos pais.

Tudo seria diferente se o ponto de partida fosse a necessidade de garantir a felicidade e a segurança dos filhos. Nesse caso, o modelo de guarda seria menos importante que a dinâmica de cuidados parentais, estabelecida de comum acordo, em clima de diálogo e cooperação.

Assim, para ajudar no desafio de abandonar posições e lutar por interesses, depois de definir os dois termos, pretendo dar algumas dicas bem práticas.

O que é uma posição?

Posição é um desejo, apresentado em ambiente de conflito, resultante de processos mentais pouco reflexivos, baseado em horizonte de curto prazo, cuja satisfação consiste em alcançar um resultado específico, rigidamente definido, implicando em sentimento de vitória sobre os demais envolvidos.

Obter a guarda unilateral dos filhos é claramente uma posição, pois trata-se de resultado definido de modo rígido, em que a vitória de um dos envolvidos corresponde à derrota do outro, e cujo alcance somente pode se mostrar satisfatório no curto prazo.

O que é um interesse?

Interesse é uma necessidade, apresentada em ambiente de conflito, identificada por meio de reflexão intencional, baseada em horizonte de longo prazo, cuja satisfação consiste em alcançar um resultado específico, escolhido entre múltiplas possibilidades, sem implicar em sentimento de vitória sobre os demais envolvidos.

Garantir que os filhos cresçam felizes e seguros é claramente um interesse, pois trata-se de resultado que pode ser obtido de vários modos, sem que a forma escolhida implique na vitória de um interessado sobre o outro, e cujo proveito tende a ser relevante inclusive no longo prazo

Como transformar posições em interesses?

1. Liste as posições

O primeiro passo é deixar a mente funcionar sem filtros e colocar no papel todos os desejos que se espera alcançar no processo.

2. Avalie as emoções

O segundo passo é tentar identificar as emoções que estão orientando cada um dos desejos listados e avaliar se elas são construtivas ou destrutivas.

3. Busque ajuda

O terceiro passo é buscar ajuda para lidar com as emoções destrutivas. Para lidar com desejo de vingança, por exemplo, o auxílio de um conselheiro religioso pode ser útil. Psiquiatras e psicólogos, por outro lado, podem trazer recursos valiosos no enfrentamento das questões de saúde mental.

4. Faça perguntas

O quarto passo é voltar à lista dos desejos, já depurada daqueles claramente identificados como destrutivos, e submetê-la a uma série de perguntas criativas, dessas que ajudam a colocar as coisas na perspectiva correta. Exemplos: a) como eu gostaria de olhar para esse conflito daqui a 10 anos?; b) como eu gostaria de contar a história desse conflito para meus netos?; c) que elementos eu gostaria de preservar a todo custo?; d) de que elementos eu poderia abrir mão sem sofrer grandes perdas; e) quais desses elementos estão conectados com meus valores mais profundos?

Conclusão

Espero que essas dicas sejam úteis. De todo modo, em casos mais complexos, pode ser interessante contar com a ajuda de um especialista. E para os que desejam se aprofundar no assunto, sugiro que comecem com o livro Como Chegar ao Sim, que é referência em estudos sobre negociação.

5 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Perfeito!
É muito bom te seguir!
Obrigada! continuar lendo

Eu que agradeço, Fátima! continuar lendo

Gostei do artigo Dr.

Limpo e conciso. continuar lendo

Sempre bom absorver novas dicas! Grande abraço.'' continuar lendo